sábado, 24 de dezembro de 2011

Todo fim de ano é assim

Todo fim de ano muita gente para alguns instantes para fazer uma avaliação do que viveu nos últimos doze meses. E reflete sobre como pretende viver as próximas 52 semanas. É tempo de novas promessas, novos compromissos, novas possibilidades. Há quem pense que tudo pode ser novo afinal e que o velho fica para trás com o ano que está quase terminando.

Fim de ano sempre é encarado como um fechamento de um ciclo e início de outro. Sempre nos últimos meses ou nas últimas semanas do ano é quando pensamos como serão nossos calendários de atividades, quando priorizamos nossas metas. E você? Como encara este momento?


“Estou esgotado”
O calendário consumiu você. Você teve 52 finais de semana e contabilizou 51 deles ocupados no sábado ou no domingo também. Meu amigo e minha amiga, a vida não se resume em reuniões, atividades, encontros, assembléias e seminários nos finais de semana. E além disso tudo, ainda tem escola, trabalho, parentes e namoros. Será que você aguenta mais um ano neste pique? Olhe para o próximo ano com mais carinho pela sua saúde física e mental também. Reserve finais de semana para você, sua família, amigos e amores. Não assuma tantas responsabilidades e tente priorizar atividades. Não dá para abraçar o mundo.

“Estou frustrado”
Possivelmente você é o “esgotado” acima que não conseguiu dar conta de tudo aquilo a que se planejou. E é bem mais provável que encontremos mais pejoteiros aqui do que no item anterior. E isso é porque nem sempre temos o controle ou autonomia sobre aquilo que iremos fazer. E há também tarefas que nos são dadas e que inicialmente não faziam parte da nossa programação, bem como aquelas que normalmente não iríamos fazê-las ou aceitá-las, mas que são estrategicamente necessárias. Penso que você deve dividir tarefas ou atribuições com o seu grupo. Não assuma tudo para si. Se as responsabilidades são várias, você deve aprender a delegá-las. E se o seu grupo é pequeno, diminua também seu planejamento. Não faça além daquilo que pode fazer, mesmo porque, certamente, outras atividades surgirão e precisarão ser encaixadas no seu calendário.

“Acaba logo, ano velho”

É a sensação daqueles para quem o ano que passou trouxe muitos problemas e para aqueles que desejam que o novo ano seja, de fato, uma virada de ciclo. Sinto desapontar você. Mas o dia primeiro de janeiro, fora o fato de ser feriado, é um dia como qualquer outro. E os dias subsequentes também o são. Culturalmente queremos a virada do ciclo, como se as coisas mudassem magicamente ou astrologicamente porque houve uma mudança no calendário. Mas como dizia Gonzaguinha, “Hoje é semente do amanhã (...) nós podemos mais, vamos lá fazer o que será”. O futuro é plantado com aquilo que fazemos no nosso cotidiano. Se quisermos mudança, que sejamos nós esta mudança. Claro que problemas podem acontecer e que podemos olhar para trás e ver que muita coisa aconteceu fora daquilo que foi planejado. E é por isso que avaliamos. Faz parte da nossa metodologia pastoral. Se aprendermos com os erros e com as variáveis que não havíamos analisado, há muito mais chance do novo ano ser de fato um ano bom.

“Vai ser um ano bom”
É a postura do pejoteiro que encara a novidade com o peito aberto. Não esquece dos desafios passados e olha com confiança no futuro. Não é uma confiança tola de quem não vê os prováveis e anunciados problemas. Mas é a confiança de alguém que acredita num projeto, numa proposta, sente-se animado espiritualmente e conta com a colaboração de um grupo. Pé no chão da história, passo certeiro em direção ao horizonte e as mãos na batalha do dia a dia. Assim a gente constrói o futuro. Assim a gente é semente de um novo amanhã. E assim a gente vive feliz e confiante num cotidiano bacana, cheio de surpresas e alegrias e que por conta de tudo isso que se chama PRESENTE.



 


FONTE: http://pejotando.blogspot.com/2011/12/todo-fim-de-ano-e-assim.html

Então é Natal...

“Então é natal. A festa Cristã...”. Para tão poucos essa pequena frase se torna realidade durante esse 24 de dezembro de 2011. Para muitos hoje é dia de celebração, de receber presentes, de abraçar as pessoas, e de esperar a 00h00min para partilharem a ceia de natal. E o aniversariante? Em que momento desse dia ele se fará presente entre nós? Esse momento, é hora de refletirmos em quais momentos de nosso dia nos recordamos a importância desses 24 de dezembro de 2011 às 00hs.  “Cristo se fez homem e habitou entre nós”. Durante cada minuto desse dia, é momento de refletirmos, e rememorarmos que Cristo não nasce de novo hoje. Ele já nasceu, mas hoje ele retorna em cada coração e se faz presente. Esse nascer de Cristo representa para nós o inicio de mais uma jornada cristã, e um renascimento de nossa vontade de ser cristão, de ser jovem, e de evangelizar o jovem. Durante 365 dias no ano, Cristo se faz nascer no jovem que ouve pela primeira vez a palavra de Deus, no jovem que vai pela primeira vez à missa, no jovem que vai à primeira vez ao grupo de jovens. Cada momento que nos levantamos de uma queda, e nos sentimos mais firmes e com mais vontade de lutar,  Cristo se faz nascer em nosso coração. E que nesse dia, e não somente nesse dia, nosso coração esteja preparado para vinda do nosso Jovem Galileu, inspirando-nos a luta, e a evangelização, pois como diria São Tiago, “a fé sem ação é uma fé morta”. Não deixemos nossa fé morrer, ou cair em pedregulhos e não nascer mais. Deixemos Cristo nascer de novo, e nossa dar essa força que em muitos momentos ansiamos. Um Feliz Natal e um Próspero Ano Novo.

terça-feira, 11 de outubro de 2011

12 de Outubro: Dia de Nossa Senhora da Conceição Aparecida



Hoje, 12 de Outubro de 2011, é um dia especial para os católicos do Brasil inteiro. É o dia celebrado para a nossa mãezinha negra, Nossa Senhora da Conceição Aparecida. A sua história tem o seu início em meados de 1717, quando chegou a Guaratinguetá a notícia de que o conde de Assumar, D. Pedro de Almeida e Portugal, governador da então Capitania de São Paulo e Minas de Ouro, iria passar pela povoação a caminho de Vila Rica (atual cidade de Ouro Preto), em Minas Gerais. Desejosos de obsequiá-lo com o melhor pescado que obtivessem os pescadores Domingos Garcia, Filipe Pedroso e João Alves lançaram as suas redes no rio Paraíba do Sul. Depois de muitas tentativas infrutíferas, descendo o curso do rio chegaram ao Porto Itaguaçu, a 12 de outubro. Já sem esperança, João Alves lançou a sua rede nas águas e apanhou o corpo de uma imagem de Nossa Senhora da Conceição sem a cabeça. Em nova tentativa apanhou a cabeça da imagem. Envolveram o achado em um lenço. Daí em diante, os peixes chegaram em grandes quantidades para os três humildes pescadores. Nossa Senhora da Conceição Aparecida possui tamanha importância aos brasileiros, semelhante a Nossa Senhora de Fátima para os portugueses.  Nesse dia, é o momento de reflexão e de dedicar nosso pensamento e nosso olhar aquela que dedicou sua vida para cuidar de Jesus Cristo, e que durante a morte de nosso senhor, foi incumbida de ser a mãe de todos. Jesus, vendo a sua Mãe e, junto d'Ela, o discípulo que amava, disse à sua Mãe: "Mulher, eis aí o teu filho." Depois disse ao discípulo: "Eis aí a tua Mãe." E daquela hora em diante o discípulo a levou para sua casa. (Lucas 19:26-27). Como filhos e filhas de nossa mãezinha negra, este é o dia de agradecermos a sua atenção e seu carinho de mãe, a olhar sempre por nós pecadores, e interceder a Deus a nosso favor.

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Tem sentido ser PJ hoje em dia?

Vez ou outra surgem alguns profetas do fim dos tempos anunciando a morte da PJ. Uma vantagem de se ter a idade que eu tenho e de ter passado tanto tempo na vida pastoral é saber que estes profetas são frequentes ao longo da história. E que nem sempre suas profecias são cem por cento erradas e nem cem por cento certas.

É certo que estes tais profetas falam a partir da visão de mundo que eles tem. E a partir dos interesses que os motivam a falar. Há também aqueles que fazem tais anúncios como forma de provocação. E a estes eu recomendo que se escute. Provocações são boas porque nos fazem reagir.

Há quem fale, por exemplo, da sua realidade local de Pastoral da Juventude. Dos grupos que estão desarticulados, dos jovens desmotivados e das assessorias perdidas. É fácil ser profeta do fim do mundo num contexto assim. É a tal da crônica da morte anunciada.

Mas onde alguns enxergam problemas, outros enxergam possibilidades. Um profeta assim, que cutuca sobre o fim da PJ de determinado local, pode mexer com os brios, com o orgulho da galera que ajudou a construir e a fazer aquela história.

Quem fala do fim da PJ pode parecer que é também um frustrado em termos pastorais. O que isto significa? Que o sujeito perdeu todas as suas esperanças neste modo pastoral de agir e só enxerga o lado negativo. Volto a dizer, quem só vê o lado bom das coisas, não ajuda o grupo a avançar, porque pode haver buracos ou desfiladeiros adiante que o excesso de otimismo impede de enxergar. Por outro lado, um negativismo exagerado é um mal também. Afinal ninguém gosta de ficar do lado de um chato.

Mas enfim, há algum sentido nestas profecias de fim da PJ? Sim, há sentido sim. Se olharmos para trás, nestes quase quarenta anos de pastoral, veremos que muita coisa está diferente. Se você olhar aí para sua realidade verá que as soluções de cinco ou dez anos atrás não funcionam tão bem hoje em dia. Ou seja, foi preciso mudar, adaptar-se aos tempos novos.

Falava outro dia com amigos pejoteiros que é muito mais claro para mim hoje o jeito de fazer pastoral do que quando eu estava na coordenação diocesana. Hoje, as assembléias, os encontros, os cursos, tem uma lógica e uma maneira de se encaminhar as decisões que são diferentes para mim. Antes, tudo eram atividades que precisavam ser cumpridas. Hoje, estas atividades estão claramente dispostas dentro de um processo. Cada uma delas tem uma contribuição a dar.

Por exemplo, quem faz assembleia para simplesmente eleger um representante ou secretário, perdeu uma oportunidade fantástica de articulação pastoral ou discussão e encaminhamentos de rumos da PJ. Hoje, as novas lideranças cobram mais os porquês das atividades e os para quês também. E isso é formidável. Aquela PJ que tínhamos há doze, quinze anos, não é mais a mesma.

Por outro lado, os desafios que aparecem hoje no nosso quintal são diferentes também. Diferentes ou mais gritantes. Falávamos antes, por exemplo, que pastoral é o agir da Igreja num determinado campo. Esta era uma definição que cabia bem para a PJ. Será que ainda faz sentido dizer hoje que Pastoral da Juventude é a ação da Igreja para, com e pela juventude? Se hoje estamos dentro de uma organização chamada Setor Juventude da qual somos parte e muitas vezes não damos a linha, e outras tantas vezes pouco podemos contribuir, será preciso revisar o que significa ser “Pastoral”?

Eu já disse algumas vezes para amigos pejoteiros que se fosse necessário mudar o nome de Pastoral da Juventude, entendida como a ação pastoral que eu desempenho, para qualquer outra coisa (fosse Setor Juventude, Movimento Juvenil, Ação da Juventude, por exemplo), eu aceitaria a mudança DESDE QUE a essência permanecesse a mesma.

E PJ tem essência? Claro que tem! São opções fundamentais das quais não podemos abrir mão sob risco de nos descaracterizarmos. São estas opções que nos dão a nossa Identidade. E identidade não é algo que ganhamos, mas é algo que construímos.

Quando falamos, entre outras coisas, na opção pedagógica por pequenos grupos, pelo uso do método ver julgar agir rever e celebrar, da importância da formação integral, da centralidade da proposta de Jesus que ele encarnou em sua própria vida e que hoje nos motiva a continuar, falamos de opções necessárias para a Igreja e para o mundo juvenil. Falamos de identidade pejoteira.

E reafirmamos que, independente das mudanças que o tempo nos obrigue a realizar, estas opções são marcas que levamos adiante. São expressões que gritam de volta para os profetas do fim do mundo que a PJ vive. São afirmações que ajudam os pessimistas a refletirem, que reanimam os caídos e as sem forças. “Apesar de todo cansaço, de toda decepção e amargura, não temos o direito de perder a esperança; a desesperança é heresia!”, disse Dom Pedro Casaldáliga. Por isso, vamos embora, andar, pejoteiros e pejoteiras. Identidade se faz com opções sim, mas olhando também os gritos e necessidades do mundo ao nosso redor. E quem anda, amplia o olhar. Há muita necessidade de PJ por aí.

FONTE: http://pejotando.blogspot.com/2011/10/tem-sentido-ser-pj-hoje-em-dia.html

terça-feira, 4 de outubro de 2011

PJ - Identidade e articulação

É fato conhecido que um grupo de jovens sozinho não é Pastoral da Juventude. “Como não??? A base da PJ são os grupos!!”, pode questionar um leitor. A este leitor eu peço que releia a frase. Um grupo de jovens SOZINHO não é Pastoral da Juventude.

Se ainda assim, meu caro amigo não entender a mensagem, explico de um jeito diferente. Pastoral se dá na articulação, da mesma forma que uma pessoa sozinha não é comunidade e até para rezar do jeito cristão é necessário que existam pelo menos duas pessoas (Mateus 18,20).

Espere aí! Meu grupo está numa região onde não existe mais Pastoral da Juventude. Nós nos identificamos com a proposta. Então não somos PJ?”.

Aí esta a grande questão! Identificar-se com a proposta. Identidade. Conheço tantos companheiros e tantas companheiras ligados e ligadas à PJ que teimam e batem o pé falando que é preciso, necessário e urgente que a Pastoral da Juventude rediscuta a sua própria identidade. Como assim, meus caros? “E, Rogério, o que tem uma coisa (isolamento) a ver com a outra (identidade)? Isso está me parecendo o samba do pejoteiro louco”.

Explico. Olhe para a realidade pejoteira que você vive e aquela que você conhece. Você acha que somos uma pastoral de gabinete, de escritório, de umas poucas cabeças pensantes, de uma elite que pensa para a massa executar? Há gente que pensa que somos assim, mas digo que estão errados. Você pode até achar uma ou outra liderança pejoteira sem a devida formação e com uma prática não condizente com isto, mas eles não são maioria.

Reafirmo que não somos uma pastoral de escritório. E poderia dar uma série de exemplos neste sentido. Mas dou um só para não me alongar. Já ouviram falar de casos de dioceses que tiveram suas coordenações de PJ cassadas? Sim. E, ouviram falar que depois desta degola, outra coordenação tão pejoteira quanto a anterior assumiu a coordenação? Se sim, eu lhe digo que a coordenação anterior fez bem a lição de casa. E respeitou um princípio básico da identidade pejoteira.

Que princípio é este? Boas coordenações são aquelas que preparam outros para assumirem seu lugar. Isto eu aprendi no meu primeiro ano de PJ, lá atrás, nos tempos das cavernas (rs). E uma boa coordenação de PJ articula forças e grupos em rede, de modo que o trabalho não pereça se um ou outro núcleo fracassarem, mas que os outros núcleos próximos os auxiliem a se reerguer.

E quem definiu este princípio de identidade? A Igreja? Um grupo de assessores místicos? Não e não! A prática, meu caro! É assim com a vida humana e é assim com a vida pastoral. A gente aprende quem a gente é e o que a gente quer ser, vivendo e experimentando, ouvindo e experimentando, aprendendo e experimentando. O que eu quero dizer? Que identidade se faz na prática.

Há duas observações aí, portanto: os princípios da PJ, como grupos pequenos, assessoria, tempos de coordenação, revisão de vida, formação integral, por exemplo, não são dogmas inquestionáveis. Pode-se experimentar variações nestes temas. Mas são termos consagrados pelo uso. Se alguém faz diferente e mostra um bom resultado, é o caso de estudar este caso. A identidade se faz na prática. A gente aprendeu a ser PJ contando com a experiência vivida por tantos jovens e assessores antes da gente. Eles nos deram nossa marca, eles nos deram nossa experiência. E a gente vai deixar uma marca e uma experiência também para as gerações futuras continuando a fazer pastoral a partir da realidade que nos cerca.

A segunda observação remete ao início deste texto. O grupo isolado que se identifica com a causa da PJ não fica isolado. Não pode e não consegue estar sozinho sob o risco de se extinguir. Quem já comeu do fruto da árvore pejoteira se sente impelido a levar a proposta adiante. E acaba descobrindo justamente o que eu já disse: a identidade com a PJ vai se firmar na prática, seja ela prática missionária ou prática de articulação. Vai ter dificuldades? Claro! Mas são justamente as vitórias sobre as dificuldades que dão o tempero especial na nossa vida, em todos os sentidos!

FONTE: http://pejotando.blogspot.com/2011/04/identidade-e-articulacao.html

Dia de Santo Chico de Assis - A cura de um Leproso


O verdadeiro discípulo de Cristo, monsior São Francisco, vivendo nesta miserável vida, com todo o seu esforço se empenhava em seguir a Cristo, o mestre perfeito. Por isso acontecia muitas vezes que, por divina operação, Deus curava a alma daquele a quem ele curava o corpo, na mesma hora, como se lê de Cristo. E como ele não só servia de boa vontade aos leprosos, mas, além disso, tinha ordenado que os frades de sua Ordem, andando ou estando pelo mundo, servissem aos leprosos pelo amor de Cristo, que por nós quis ser tido como um leproso, aconteceu uma ocasião, em um lugar próximo de onde então morava São Francisco, que os frades serviam em um hospital aos leprosos doentes.

Havia lá um leproso tão impaciente, insuportável e mau, que todo mundo tinha como certo, e era mesmo, que ele estava tomado pelo demônio, pois tratava quem o servia como um vilão, por palavras e pancadas, e, o que era pior, blasfemava ultrajando Cristo bendito e sua santíssima mãe Virgem Maria, desse modo que não se encontrava quem quisesse ou pudesse servi-lo.

E ainda que os frades procurassem suportar pacientemente as injúrias e vilanias para aumentar o mérito na paciência, como sua consciência não podia suportar o que era contra Cristo e sua Mãe, decidiram abandonar esse leproso, Mas não quiseram faze-lo antes de contar em ordem a São Francisco que morava, então, em um lugar ali perto.

Quando o fizeram, São Francisco foi visitar o leproso perverso e, chegando a ele, saudou dizendo: “Deus te dê a paz, irmão meu caríssimo”.
O leproso respondeu: “Que paz posso receber de Deus, que me tirou a paz e todo bem, e me fez todo podre e fedido?”.

E São Francisco disse:
“Filho, tem paciência, pois as enfermidade do corpo nos são dadas por Deus neste mundo para a salvação da alma, pois são de grande mérito quando são suportadas pacientemente”.
O doente respondeu:
“E como posso suportar pacientemente a pena contínua que me aflige dia e noite? E não estou aflito só com minha enfermidade, mas pior me fazem os frades que tu me deste para me servirem e não me servem como devem”.

Então São Francisco, conhecendo por revelação que esse leproso era possuído pelo espírito maligno, foi e se pôs em oração, pedindo devotamente a Deus por ele.

Feita a oração, voltou a ele e disse assim: “Filho, quero te servir eu mesmo, uma vez que não te contentas com os outros”. “Está bem, disse o enfermo, mas o que tu me poderás fazer mais do que os outros?”. São Francisco respondeu: “O que tu quiseres, eu farei”. Disse o leproso: “Eu quero que tu me laves inteiro, pois estou fedendo tão forte que nem eu mesmo agüento”.

Então São Francisco mandou esquentar na mesma hora água com muitas ervas aromáticas, depois o despiu e começou a lavá-lo com suas mãos, e um outro frade derramava a água em cima. E por milagre divino, onde São Francisco tocava com suas santas mãos, a lepra ia embora e a carne ficava perfeitamente curada. E quando a carne começou a ser curada, também a alma foi sendo curada.
Por isso, vendo o leproso que estava começando a ficar curado, começou a ter uma grande compunção e arrependimento de seus pecados, a começou a chorar muito amargamente; de modo que, enquanto o corpo ficava limpo da lepra pelo lado de fora por ser lavado pela água, a alma ia sendo limpa do pecado por dentro pela contrição e pelas lágrimas.

Quando ficou completamente curado quanto ao corpo e quanto à alma, reconheceu sua culpa e disse chorando em alta voz: “Ai de mim, eu sou digno do inferno pelas vilanias e injúrias que fiz e disse aos frades, e pela impaciência e blasfêmias que tive contra Deus”.
Daí, continuou por quinze dias a chorar por seus pecados e a pedir misericórdia a Deus, confessando-se inteiramente ao padre. E São Francisco, vendo assim expresso o milagre, que Deus tinha operado por meio de suas mãos, agradeceu a Deus e foi embora dali para terras muito distantes. Pois queria fugir, por humildade, a toda glória, e em tudo que fazia buscava só a honra e glória de Deus, e não a própria.

Depois, como aprouve a Deus, o dito leproso curado no corpo e na alma, após seus quinze dias de penitência, ficou doente de outra enfermidade; e armado com os sacramentos da Igreja, morreu muito santamente. E sua alma, indo para o paraíso, apareceu no ar para São Francisco, que estava em oração em um bosque e lhe disse: “Tu me reconheces?”. “Quem és tu?”, disse São Francisco.

“Eu sou o leproso que Cristo bendito curou pelos teus méritos, e agora vou indo para a vida eterna. Por isso, agradeço a Deus e a ti. Benditos sejam a tua alma e o teu corpo, e benditas sejam as tuas santas palavras e operações, pois por ti muitas almas vão se salvar no mundo.E sabe que não há dia no mundo em que os santos Anjos e outros santos não agradeçam a Deus pelos santos frutos que tu e tua Ordem fazeis em diversas partes do mundo. Por isso, conforta-te e agradece a Deus, e fica com a sua bênção”.

E, ditas essas palavras, foi para o céu. E São Francisco ficou muito consolado.

Para o louvor de Jesus Cristo e do pobrezinho Francisco. Amém.

Fonte: http://carisma.franciscano.zip.net/

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

O Significado do Perdão


Foi realizado, no domingo, das 10hs às 11hs, mais um encontro do Grupo de Jovens JOCC. Durante esse reencontro de amigos, e conversa, comentou-se sobre um tema que na teoria é fácil de compreender. Porem, na prática, ainda permanece muito complexo. O perdão, tema tratado durante essa conversa,  é um ato que ainda é muito difícil de ser disseminado pela juventude. Quando somos magoados, somos ofendidos, a primeira oportunidade que temos, queremos nos vingar de algum modo, ao invés de perdoarmos nosso agressor. Para entendermos o significado desta palavra dentro do conceito bíblico de perdão, precisamos entender que o pecador é um devedor espiritual. Até Jesus usou esta linguagem figurativa quando ensinou aos discípulos como orar: "e perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós temos perdoado aos nossos devedores" (Mateus 6:12). Uma pessoa se torna devedora quando transgride a lei de Deus (1 João 3:4). Durante sua juventude, Cristo disseminou o perdão ao irmão, apresentando a todos o mandamento do amor. Amar ao irmão significa perdoar todos os erros e todos os ressentimentos. Neste domingo, 15 de agosto de 2011, celebrou-se a assunção de Nossa Senhora. Após a morte de Cristo, Nossa Senhora ficou com a missão de ser a mãe da humanidade, de cuidar da humanidade, e chegando a sua hora, Cristo veio busca-la para ficar ao seu lado, olhando por nós. E que durante nossa vida, nós jovens, aprendamos o significado do perdão, e principalmente o significado do amor ao irmão, pois do mundo nada levaremos.

domingo, 14 de agosto de 2011

Dia dos Pais: Uma data para recordar

Pais ...
Não tenho outro titulo para essa postagem, pois acho que uma palavra tão simples nos dá muito significado.
Nesse próximo domingo comemoramos o dia dos pais. Mas porque desse dia? Qual significado?
O Dia dos Pais tem origem na antiga Babilônia, há mais de 4 mil anos. Um jovem chamado Elmesu moldou em argila o primeiro cartão. Desejava sorte, saúde e longa vida a seu pai.
O dia dos pais no Brasil, onde a comemoração é no segundo domingo de Agosto, tem como autor da data o publicitário Sylvio Bherinh, em meados da década de 50, festejada pela primeira vez no dia 14 de Agosto de 1953.
Mas enfim ... o que significa uma palavra tão pequena para nós? Segundo o dicionário online Michaelis (michaelis.uol.com.br)
PAI - 1 Homem que gerou um ou mais filhos em relação a estes; genitor; homem colocado no primeiro grau da linha ascendente de parentesco. 2 Animal macho que gerou outro. 3 Benfeitor, protetor. 4 Criador, fundador.
Quero salientar o item 3. Geralmente chamamos nosso Deus de pai, em sinal de conscientização de que ele é nosso protetor, pois sentimos nele confiança, pai assim sendo.
Meus amigos, ter pai é ter alguém com quem se apoiar, com quem se deixar levar ou cair nos momentos de tristeza. Quem nunca se sentiu triste e só teve no pai um apoio ou um amigo.
Ou quem, as vezes por medo, deixou de contar algo para seu pai, mas quando contou, sentiu que podia contar com ele.
Pai é ser um amigo, é saber ouvir e entender, mesmo que difícil seja. Mas dentro desses problemas todos, existe algo que o pai e filho sempre prevalece: o amor. Um amor capaz de eliminar problemas e romper barreiras. Um amor de pai já foi capaz de entregar seu filho à morte para salvar milhões de filhos e filhas.
Pais, vocês devem ser exemplo e reprodução desse protetor, sabendo que seu filho não é apenas algo que vocês pôs no mundo. É saber que essa vida veio de você, veio de dentro de você. Amor não é obrigação para esse filho, mas tenho certeza que o amor vem a partir do momento que você sabe que este ser é um pouquinho de você!
Feliz dia dos pais ...

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Santa Bárbara d´Oeste acolheu a 4ª Etapa da Escola da PJ 2011

Realizou-se no domingo, 31 de julho de 2011, a 4º Etapa da Escola Diocesana de Formação e Vivencia da Juventude, ocorrida na regiao vermelha, a Terra da Amizade, Santa Barbara D’ Oeste. Estimando-se a participação de 20 jovens, teve inicio as 8hs da manha e término as 16hs da tarde, com um enfoque na Dimensão Sócio-Politica-Ecológica., assessorada por um dos membros do Instituto Paulista de Juventude (IPJ), Marcos Dantas.
Durante o dia, os cursistas, juntamente a organização e a CDPJ, refletiram sobre o Reino dos Céus, iluminados pela luz da palavra de Deus. Pela manha, refletiu-se na mistica inicial, a passagem sobre José do Egito, e sua importancia no âmbito politico daquele tempo e regiao.
Para um melhor conhecimento por parte do assessor, dos participantes, os mesmos foram se apresentando com base em perguntas, sobre sua participação em grupos de jovens, e sua caminhada pastoral e afetiva. Possibilitou-se por meio da assessoria, durante o dia, compreender como o mundo gira em torno do capitalismo, e a força que os mais poderosos exercem sobre os menos poderosos.
Todavia, houveram momentos de alegria e diversão entre os jovens participantes. No decorrer do almoço, teve inicio uma “sessão de moda de viola”, com musicas como Boate azul, Menino da Porteira e o Ipê e o Prisioneiro. Ocorreu durante o almoço tambem, uma das “perolas” que sera lembrada entre os participantes que a escutaram. Relacionou-se o nome do assessor leigo da PJ (Dedé) ao do humorista Dedé Santana. Desse modo, saiu a perola “calma dedé, calma dedé!!”.
Por fim, foi relacionado o vaso de acerola, plantado durante a primeira etapa, a participação dos jovens no decorrer das etapas, e a sua importancia para a Escola de Formação. A proxima etapa está prevista para ocorrer no dia 25 de Setembro, na cidade de Águas de São Pedro, Região São Pedro.

Veja abaixo a lista de materiais utilizados nesta quarta etapa da Escola da PJ 2011:


(fonte: Fabricio Matias – GT de Formação da PJ)

FONTE: http://pjpira.wordpress.com/2011/08/05/santa-barbara-d%C2%B4oeste-acolheu-a-4%C2%AA-etapa-da-escola-da-pj-2011/

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Dia do Padre: “é ele que dá a maior força”... nas pastorais

Não foi a toa que a Assembléia dos Bispos do Brasil, em Itaici, em abril de 2004, refletiu como tema principal “A vida e ministério dos presbíteros”. Foram muitos debates sobre o tema, uma pesquisa e por fim uma carta mensagem dos bispos para todos os presbíteros do Brasil.

Observam-se constantemente, nas diversas pastorais paroquianas, muitos depoimentos sobre o empenho dos padres nos trabalhos das mesmas. Conversando com líderes e coordenadores, muitos testemunham sobre o bom relacionamento com os padres e, de uma forma carinhosa e afetiva, usam o pronome possessivo indicando que “o nosso padre dá a maior força” para os serviços pastorais. Também não faltam oportunidades em que solicitam um maior apoio dos padres, já que em algumas paróquias existem algumas reclamações em casos extremos em que não foi possível um bom relacionamento. São coisas (do lado humano), que acontecem...

Para falar um pouco da missão do presbítero, é bom lembrar do Concílio Vaticano II, que acrescenta que o presbítero não é apenas alguém experiente ou mais preparado, mas alguém que participa intimamente da unção do único e pleno Sacerdote Ungido do Pai, que é Jesus Cristo. O indivíduo é escolhido dentro da comunidade para a missão de presbítero, e o Concílio apresenta que todo o povo de Deus e não apenas o presbítero, participa da unção do Messias. O fato de o presbítero ser tirado do meio do povo, não o isola do mundo e do resto da humanidade nem o situa em patamar acima deste. Pelo contrário, os presbíteros são chamados a conviver humilde e fraternalmente inseridos na realidade atual.

Pela unção, o padre se identifica a Cristo, é chamado do meio do povo, configurado a Cristo pelo sacramento da Ordem, tendo a missão de anunciar a Palavra do Senhor, realizar os sacramentos em seu nome, fazendo com que Ele se torne presente realizando os sinais de vida, e tendo a missão de educar os seus filhos na fé (pela sua paternidade espiritual), com a característica de ser um servidor do povo.

Desta forma, o presbítero estará em todo tempo e lugar e de maneira verdadeira e radical a serviço do povo e da comunidade, principalmente entre os mais pobres e humildes, anunciando a Boa Nova do Evangelho, administrando os sacramentos, sendo chefe do povo de Deus, para que todos sejam resgatados na dignidade de filhos e filhas amados de Deus.

Sabe-se que no dia-a-dia as dificuldades do ministério sacerdotal se avolumam com a transformação galopante da sociedade moderna, os seus relacionamentos e desafios, principalmente do individualismo, materialismo (“leia-se “globalização”, “liberalismo” e outros bichos), comodismo e tantos outros “ismos”.

Nas diversas Pastorais, deve-se atuar em parceria com todos os padres. Eles são fundamentais para que o trabalho evangelizador dos leigos a serviço das comunidades e das famílias se realize plenamente.

Por tudo isso é que não se deve deixar de manifestar a gratidão de todos os católicos aos sacerdotes, e dizer em alto é bom som: “O PADRE DEVE CONTINUAR  A DAR A MAIOR FORÇA A MISSÃO EVANGELIZADORA NAS COMUNIDADES CRISTÃS” – rezemos no dia do Padre para que eles se mantenham fieis a missão.

Luiz Tadeu Dias Medeiros

Membro Pastoral da Liturgia – Paróquia Sagrado Coração de Jesus – J. Pessoa(PB) – 04/08/2005

FONTE: http://www.universocatolico.com.br/index.php?/dia-do-padre-e-ele-que-da-a-maior-forca-nas-pastorais.html

terça-feira, 26 de julho de 2011

Violência contra as mulheres - Rumo ao DNJ 2011

A violência contra a mulher continua a ser um grave problema em muitos países do mundo e para mudar esta situação, um dos melhores instrumentos é a educação. Esta foi a reflexão apresentada pelo observador permanente da Santa Sé, Dom Silvano Tomasi, na 17ª Sessão do Conselho para os Direitos Humanos da ONU, que em andamento em Genebra, na sessão dedicada à mulher.
Entre as várias agressões, citou-se o estupro como arma de guerra, o tráfico de meninas, os abusos contra empregadas domésticas, seqüestros e conversões forçadas, casamentos e abortos obrigatórios . Durante sua reflexão, Dom Tomasi recordou as palavras ditas pelo papa Bento XVI: ‘mesmo que a violência seja mais frequente onde há pobreza e instabilidade social, devemos reconhecer que alguns sistemas legais e tradições ainda a toleram’: Em alguns lugares e culturas, elas são discriminadas ou subestimadas só por serem mulheres’.
Dom Tomasi afirmou que diante de fenômenos graves e persistentes, os cristãos têm um compromisso cada vez mais urgente em promover a cultura que reconheça a dignidade que pertence as mulheres, na lei e na realidade concreta. Para prevenir esse tipo de violência, Dom Tomasi sugeriu a instauração de melhorias no nível de vida e o acesso à educação. “Neste sentido, recordo o ensinamento da Igreja sobre a igualdade de dignidade na unidade de homem e mulher, na arraigada e profunda diversidade entre o masculino e o feminino, em sua vocação à reciprocidade e à complementariedade, à colaboração e à comunhão”, disse.
Ao final de sua reflexão Dom Tomasi ressaltou que é possível mudar a situação da mulheres no mundo. "Minha delegação considera que é possível melhorar a situação das mulheres e lutar contra o flagelo da violência, construir uma igualdade criativa e um respeito mútuo que previnam todo recurso à violência”, concluiu o observador.

FONTE: http://padreanselmomartiniano.blogspot.com/

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Vem aí a 4ª Etapa da Escola de Formação da PJ – Turma 2011

Olá meus queridos amigos, tudo bem? Muitos não estavam presentes em nosso ultimo encontro .. lá em Rio das Pedras, no último mês Maio. Sentimos muito a falta de todos os que não puderam estar junto de nós!
Mas enfim … mas um encontro está marcado em nossa agenda … agora dessa vez em Santa Bárbara D’Oeste.  Sim!!! Em Santa Bárbara mesmo!!
Por motivos de logistica, a 4 ª etapa será realizada na cidade de Santa Bárbara, ao invés de São Pedro como estava pré-definido.
Dados os esclarecimentos, vamos aos finalmentes…
O QUE: 4 ª ETAPA DA ESCOLA DIOCESANA DE FORMAÇÃO E VIVÊNCIA DA JUVENTUDE
TEMA: Dimensão Sócio-Politico-Ambiental – Projeto de vida – parte IV
QUANDO: 31 de Julho de 2011
HORÁRIO: 8h00 as 16h00 (alm0ço no local)
INVESTIMENTO: R$ 10,00 por participante
ONDE: Espaço do Serviço Social de Promoção à Cidadania Imaculada Conceição (Rua João Eduardo Mac Knight, Parque Zabani, Santa Bárbara – SP)
ORIENTAÇÕES DE COMO CHEGAR:
Alguns devem estar se perguntando: Nossa, mas por que recebi este email hoje sendo que fiz a escola ano passado???
Eu respondo :)
Devido a proposta de continuidade das etapas, por estarmos falando de uma formação integral do invidividuo, sabemos que
muitos “alunos” não conseguiram participar de todas as etapas. Por isso mesmo, estamos dando a oportunidade de quem não participou, para que posso completar as etapas faltantes, assim concluindo sua formação.

Lembretes:
  • Traga sua caneta, pois ajudar o meio ambiente, principalmente na etapa em que falaremos dele nunca é demais;
  • Traga sua Bíblia;
  • Traga também seu instrumento musical, caso toque algum;
  • Traga o valor referente a contribuição por etapa;
  • Traga sua pasta com as anotações das últimas etapas e de seu projeto de vida;
  • Estaremos com uma livraria a disposição, com livros que podem auxiliar em sua caminhada pastoral, com preços acessíveis.
Estamos esperando vocês! Encontro marcado! Dia 31 de Julho!!!!
Forte e saudoso Abraço!!
Em CRISTO sempre Jovem

FONTE: http://pjpira.wordpress.com/2011/07/20/vem-ai-a-4%C2%AA-etapa-da-escola-de-formacao-da-pj-turma-2011/

quarta-feira, 13 de julho de 2011

Um grito ecoando entre os Jovens!!!

A juventude quer viver!!! Esse é o grito que vem sendo proclamado pelos jovens do Grupo JOCC há exatamente 1 mes após o inicio dos trabalhos em cima do subsidio sobre a CAMPANHA CONTRA A VIOLENCIA E O EXTERMINIO DE JOVENS. Durante essas semanas foi debatido entre os jovens os porques da violencia, e o que pode ser considerado como violencia. Nunca devemos esquecer que a violencia esta mais proxima de nós quanto pensamos. Nas escolas, nas ruas, em nossa casa, quando brigamos com alguem, quando praticamos o bullying, estamos praticando violencia. Será que estamos vendo tudo isso calados ou estamos agindo para uma diminuição dessa violencia? Até quando ficaremos parados? É hora do jovem mostrar a sua cara, e mostrar que nao devemos esperar a violencia alcançar nossos amigos ou parentes para agirmos. É o momento de refletirmos sobre como agir perante a tanta violencia contra o jovem, e como conscientizar os jovens sobre essa crescente violencia.
CHEGA DE VIOLENCIA E EXTERMINIO DE JOVENS!!!!

segunda-feira, 4 de julho de 2011

PIRACICABA ACOLHERÁ O 2º CURSO DE DINAMICAS PARA LIDERES

Tera inicio no dia 23 de julho de 2011, a 2º edição do CDL Diocesano. Para a juventude da Região Capivari e Região Piracicaba I,II e III essa é uma oportunidade para aperfeiçoar sua formação, e a formaçao de futuros lideres de grupos de base, ou mesmo futuros articuladores regionais e diocesanos. Visando uma melhor formação do jovem, como protagonista, o Curso de Dinamicas para Lideres (CDL) têm um numero de vagas limitado, possuindo a duração de 3 dias. Durante esses dias, o jovem terá uma participação fundamental, durante as dinamicas e durante as palestras. Sempre inspirados na pessoa de Jesus Cristo, como formador e formado, o CDL serve como inspiração para jovens que possuem um espirito inquietado com tudo que ocorre ao seu redor e em sua base.


O CDL também ajuda a promover a participação, a reflexão, o sentido de responsabilidade e a iniciativa dos participantes, poe meio de uma variedade de dinâmicas. Por isso, o número máximo de participantes deve ser de vinte e seis pessoas. Todo o processo desenvolve uma “educação para a libertação”, apresentando-se como alternativa diante das muitas formas de “educação para a domesticação”, presentes na sociedade, na escola e dentro da própria Pastoral. A variedade de dinâmicas evita a monotonia e o cansaço presentes em tantos cursos e encontros de muitas palestras e pouca reflexão ou de cursos que freqüentemente restringem-se a uma única dinâmica: debate em grupo-plenário-debate e em grupo-plenário.

"Nem sempre podemos construir o futuro para nossa juventude, mas podemos construir nossa juventude para o futuro." (Franklin Roosevel)


Como participar
Inscrições através do email cld2011pira@gmail.com. Deve conter os dados:
    Nome:
    Nascimento:
    Endereço:
    Cidade:
    Telefones:
    Região Pastoral: (Capivari ou Piracicaba)
    Paróquia:
    Paroco:
    Grupo de jovens:
    Coordenador do grupo e contato:
    Responsável e contato:

O valor de inscrição é de R$30,00 (serão utilizados para gastos com alimentação, hospedagem e material).
Organização:
Diocese de Piracicaba
Pastoral da Juventude
Região de Capivari e Piracicaba I, II e III
Equipe de Organização do CDL 2011
Contato:
Vinicius Matias (coordenação)
(19)9857-2735

sábado, 2 de julho de 2011

Jovens vítimas de violência lembrados em Corpus Christi

Na solenidade do Corpo e Sangue de Cristo, a Pastoral da Juventude, fez memória aos jovens vítimas de violência em Campo Grande.
A homenagem foi realizada na confecção dos tapetes de Corpus Christi, onde foram escritos os nomes de alguns jovens violentados, entre eles o jovem Brunão, morto enquanto trabalhava de segurança em um bar de Campo Grande, o jovem “Cabeça” (como era conhecido) que participava de atividade da Pastoral da Juventude na Paróquia N. S. de Fátima quando foi abordado por assaltantes e assassinado, e a jovem Marielly que teve seu corpo encontrado na área rural de Sidrolândia.
A atividade faz parte de um conjunto de ações realizada pelas Pastorais da Juventude por ocasião da Campanha Contra a Violência e Extermínio de Jovens.
A Campanha visa denunciar situações onde a juventude tem seus direitos humanos violados em setores da sociedade e atividades religiosas como o próprio Corpus Christi.

FONTE: http://www.pj.org.br/noticias.php?op=ExibeNoticia&idNot=923




quinta-feira, 30 de junho de 2011

Juventude será o tema da CF em 2013

Fraternidade e Juventude. Este será o tema da Campanha da Fraternidade de 2013. A escolha foi feita hoje, 15, pelo Conselho Episcopal Pastoral, que está reunido desde ontem na sede da CNBB.

O tema foi proposto pelo Setor Juventude da CNBB, que recolheu cerca de 300 mil assinaturas junto aos jovens do Brasil. O lema será escolhido na próxima reunião do Consep.

O Setor da Mobilidade Humana da CNBB apresentou e defendeu o tema do tráfico de pessoa humana e o trabalho escravo. Outros temas foram apresentados, mas não receberam votos.


Esta será a segunda Campanha da Fraternidade sobre a Juventude. A primeira foi realizada em 1992 com o lema “Juventude, caminho aberto”.


A escolha dos temas da Campanha da Fraternidade é feita com antecedência de dois anos.

Fonte: http://www.pj.org.br/noticias.php?op=ExibeNoticia&idNot=916 

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Como viver pastoral?


Acho que temos um momento de nossas vidas que sempre nos perguntamos: para onde iremos com o fim de nossos dias na terra? Ou até mesmo: para que estou aqui? Qual o meu propósito em estar vivo nesta grande esfera azul? Com certeza você já se perguntou alguma vez isto, principalmente naqueles momentos que chamamos de "crises existenciais", típicas de nossa juventude e de nós jovens.
Muitos de vocês ao chegarem nesse ponto devem ter pensado: Nunca pensei nisso. Ou: Nossa, pra que isso vai servir para mim? Muitos jovens se esquecem que a vida em comunhão com Deus, faz um bem enorme, tanto quanto ou mais que uma vida bem sucedida financeira e amorosamente.
A palavra pastoral, antes de qualquer coisa, vem de pastor. É um termo estreitamente ligado ao "Bom Pastor", como relata São João a nós: "Eu vim para que as ovelhas tenham vida e para que a tenham em abundância. Eu sou o Bom pastor" (Jo 10,10).
Meus amigos, este trecho nos dá uma dimensão muito grande e rica de nossa missão, bem como de nossa responsabilidade. Será que – assim como Cristo que nos oferece uma vida em abundância – estamos fornecemos ao próximo essa vida, essa alegria, essa paz em abundância que o Mestre nos chama a partilhar e compartilhar? E então podemos voltar à nossa conversa anterior de como viver essa missão, como viver essa vida em abundância, partilhando e chamando a uma vivencia de vida mais profunda. Uma das formas que podemos viver essa vida é através da "Vida Pastoral".
Meus queridos, de nada adianta uma vida cheia de amor, paz, alegria, se não compartilhamos de toda essas virtudes com nosso próximo.
Essa partilha pode sim ser realizada através de um trabalho pastoral, dentro de algum seguimento de nossa Igreja, na sociedade, através de um papel de ajuda civil. Querer é preciso, pois sabemos que “A seara é realmente grande, mas poucos os ceifeiros” (Mateus 9,37).  Nosso povo tem fome, necessita de comida. É necessário que nós, como jovens, sejamos também que pode alimentar quem tem fome, dar de beber a quem tem sede.
Viver pastoral é mais que simplesmente realizar algo na sua paróquia, dentro de seu grupo de jovens. É viver aquilo, sentir arder o coração em brasa quando se está prestes a um trabalho de pastoral, a uma missão, a ajudar alguém.
Amigos, seu trabalho, mesmo que para você possa não valer ou não ter importância, para muitos isso pode salvar vidas, mudar destinos. Você é chamado todo dia a acordar e viver o dia, sentir o dia. Mas não deixe somente ele passar, viva ele, e mais que isso, faça que esse dia seja marcado em sua vida para sempre, sinta orgulho de vivê-lo e de estar vivo.
Vivendo cada dia assim, ajudando o próximo e vivendo realmente uma vida de pastor, você saberá e terá certeza que sua vida é muito importante, e você sim é importante para o projeto de Deus.

sexta-feira, 15 de abril de 2011

Semana Santa: a Celebração do Amor de Deus


Inicia-se novamente a celebração da Paixão de Cristo. Ramos nas mãos, os fiéis repetem a cena da entrada em Jerusalém, de dois mil anos atrás, com hosanas e louvores próprios dos reis. Mas o reino de Cristo não é um reino político nem terreno. Interrogado sobre isto ele dirá a Pilatos: "Meu reino não é daqui. Se meu reino fosse daqui, certamente meus súditos haveriam de me defender." (Jo.18,36).

Os ramos de oliveira e o caráter festivo são sinais de vida, a vida verdadeira, aquela que não tem fim. Não sendo daqui o reino, há de ser de outro lugar. Outra realidade não puramente terrena, iniciando-se aqui, terá sua plenitude na eternidade. O Senhor Jesus anuncia o reino, o inicia, o realiza. Ensina a respeito das diretrizes e regras, que na verdade se resumem em uma única: amar a Deus e ao próximo. Ao aproximar-se o dia de sua prisão e condenação à morte, conclui todos os seus ensinamentos nestas palavras: "dou-vos o meu mandamento: amai-vos uns aos outros como eu vos tenho amado" (Jo.15,12).

O evangelista João, em carta à sua comunidade de fé, define: "Deus é amor" I Jo.4,7).
 
Certamente, um fato nos ajudará a entender. Conta-se que num mosteiro, certo dia chegou à porta um homem pobre que recebia dos monges ajudas freqüentes. Trazia um lindo cacho de uvas que ele havia colhido de sua pequena plantação e desejava oferecê-lo ao porteiro, pela amabilidade com que o recebia. O monge o recebeu com alegria, admirado pela beleza das uvas. Ao se distanciar o doador, pensou o monge porteiro: vou dar este lindo cacho de uvas ao Abade. Ele o merece mais do que eu. O Abade o recebe maravilhado. Partindo o porteiro, o Abade ofereceu as uvas ao monge mais velho e doente.  Ao se distanciar o Abade, o doente as dá ao monge enfermeiro, como prova de gratidão pela sua caridade. Mas ao sair do quarto, o enfermeiro presenteia o monge cozinheiro, agradecido pelos humildes serviços. O cozinheiro, já quase ao fim do dia, toma cuidadosamente as uvas e as dá ao monge mais jovem para que não se desanimasse diante das dificuldades. Este, com os olhos brilhantes de admiração, toma as usas e as oferece ao monge porteiro que o recebeu com tanta bondade. O porteiro recebe novamente as uvas, certo agora de que vivia verdadeiramente num lugar de Deus, onde reinava exclusivamente a lei o amor e todo sinal de egoísmo havia já desaparecido. Ah! Se o mundo inteiro fosse assim! Eis o jeito de se viver os dias santos da semana que se inicia e que culminará com o Tríduo Sagrado da Páscoa, quando se cantará convictamente "Prova de amor maior não há que doar a vida pelo irmão" e , mais uma vez, se proclamará a palavra de Jesus: "Eu vim para que todos tenham vida, e a tenham plenamente". Feliz Páscoa!

Dom Gil Antônio Moreira

Arcebispo Metropolitano de Juiz de Fora - MG

 
Meus queridos amigos de fé e luta, assim como o evangelista João proclamou que Deus é amor, também nós, a exemplo desse amor, que seja vivido, sentido. Arrisquemos nossa vida por esse amor, assim como diz o poeta. Ele é nosso refugio, esse amor tão grande e tão forte é que nos protege, afasta nossas angustias, nossos medos.

 
Fonte: Adaptado do Artigo de Dom Gil Antônio Moreira: http://www.cnbb.org.br/site/articulistas/dom-gil-antonio-moreira/6294-semana-santa-a-celebracao-do-amor-de-deus